Mona e Outros Mares - Entre Espelhos (2016)
"Entre Espelhos, começou vontade. Do sexo de um anjo caído, do artifício dos bebês ciborgues, da estranheza de alienígenas androides. Pelo pré, pelo pós e pelo não humano: o demasiado humano. Mona e Outros Mares é a música como linguagem, buscando um contato, uma dança, um oásis, uma sala de estar onde se possa viajar junto, onde se possa explorar diferentes dimensões dessa tão complexa relação eu e outr@. Entre Espelhos, a noção de identidade ou de gênero são completas ilusões, miragens mesmo: nada está naturalizado, dado, definido em si mesmo. Mas se há que se arriscar um nome ou um gênero: transeletrônica."